Acabou a bananada na Gávea 

Eduardo Bandeira e Ricardo Lomba (divulgação Gilvan de Souza)
                       

Fala aí, rapaziada!

Acabou! Chegou ao fim! Já deu! O Flamengo mais perdedor de todos os tempos, o mais frouxo que já vimos, o mais arrogante, o que envergonha os torcedores, chegou hoje ao seu capítulo final! Ok, ainda faltam algumas rodadas para o fim do Brasileiro. Mas sou do tempo que o Flamengo existia para “Vencer, Vencer, Vencer”. E como a derrota para o fraquíssimo time do Botafogo praticamente tirou as chances matemáticas do título, cumprir tabela e nada dá no mesmo. 

O fim da gestão Eduardo Bandeira de Mello me causa menos revolta do que eu pensei que sentiria. Ao longo dos últimos seis anos, fui crítico ferrenho dessa turma que ocupa o clube com sua empáfia, arrogância, incompetência, prepotência, antipatia, mediocridade. Desde a eleição, eu sabia que a Chapa Azul não era melhor alternativa. Dos candidatos ao cargo em 2012, a minha opção seria o Mauricio Rodrigues. Mas os sócios pensaram diferente. 

Desde os primeiros dias desses caras no clube, eu vi que teríamos muito pouco a comemorar. Eles entraram com uma marra que não cabia em quem nunca comandou um clube de futebol. O grupo que dá suporte ao EBM é formado por pessoas fora da realidade, uma turma criada com Sustagen, lenço umedecido, que só jogou bola em grama sintética, com chuteira colorida, que só conhece pobre como serviçal, que não gosta de gente simples, que acha que o Rio se limita ao Leblon, Lagoa e Ipanema, que nunca sentou a bunda no cimento do Maracanã, que jamais pisou no mijo que formava um rio no Maior do Mundo a cada jogo. 

Era evidente que eles iam fazer besteira. Só não pensei que fossem tantas. Ganharam méritos da imprensa e dos blogueiros como exemplo de gestão. A maioria do que fizeram isso não sabem p... nenhuma. A outra parte é comprada. A verdade é que nem na parte financeira eles têm tantos méritos. A maior parte da grana não entrou graças a eles. E nunca se gastou tanto e tão mal como nos últimos anos. 

O reflexo desse comando incompetente fez o time virar uma piada em campo. Foram muitas eliminações. Raros bons momentos. Jogadores sem qualquer identificação. Aceitar derrotas foi uma tônica. Se contentar com pouco virou padrão. Todos se contaminaram com esse espírito perdedor que veio do medíocre presidente e baixou no elenco e até na torcida. Não raros, vejo torcedores aceitando a derrota como se fosse algo natural. Não, não é! Ou melhor, não deveria ser. 


E pra ser novamente um clube vencedor, só expurgando essa corja (pra usar um termo que eles denominavam os ex-dirigentes que hoje os apoiam). Que os sócios sequer cogitem manter o EBM e sua trupe por mais tempo. Chega logo, dezembro! Pra que eles tenham nas urnas o que a Nação vem tendo em campo. Adeus, EBM, presidente rubro-negro mais vexaminoso dos últimos anos! 

MANDA BEM: Só se eu estivesse de sacanagem que teria a cara de pau de achar alguma
coisa boa hoje. A não ser que cada dia que passa é um dia a menos pra aturar esses caras no comando do Flamengo.

MANDA MAL: Uma torcida que exalta Cuellar, Éverton Ribeiro e Arão merece passar vergonha mesmo. Que trio, amigos! Que mediocridade. 

MANDA PRINT: Uma banana diz mais do que mil prints.


Comentários

Postagens mais visitadas